Brindes personalizados: 5 dicas infalíveis para bombar seu endomarketing

Brindes personalizados: 5 dicas infalíveis para bombar seu endomarketing

O conceito de endomarketing já é bem instituído no contexto corporativo, especialmente brasileiro. Utilizar estratégias de brindes personalizados também não é novidade, mas ainda há muito que aprender. Confira com a gente como bombar seu endomarketing somando a ele essa estratégia.

First things first: como surgiu e o que é endomarketing?

Desde sempre empresas precisam reter talentos. É óbvio, quanto menor o turnover, menor o investimento em capacitação e também em captação de novas pessoas. 

Aí entra Saul Faingaus Bekin, em 1986, brasileiro e professor de marketing. O que ele propôs foi a utilização de práticas do marketing, mas internamente. 

Nessa perspectiva, endomarketing é, segundo a Neil Patel, o estudo das necessidades e desejos do cliente interno, ou seja, do funcionário. Já para Limongi França (2009, p. 150), 

“Endomarketing é um modelo de gestão dotado de uma filosofia e de um conjunto de atividades que faz uso de políticas, conceitos e técnicas de recursos humanos e marketing tendo como função principal integrar todas as áreas e níveis organizacionais e fazer com que os empregados estejam motivados, capacitados, bem informados e orientados para a satisfação dos clientes.”

Com esse conceito em mãos, RHs de muitas empresas têm trabalhado para, cada vez mais, criar um ambiente em que pessoas profissionais queiram estar. Pra quê? Atrair melhores os candidatos e gerar produtividade, claro.

 

E onde entram os brindes personalizados?

Não é só sobre dar mimos. Enquanto estratégia, presentear com brindes personalizados possibilita fortalecimento de identidade de marca. Além disso, ao fomentar um excelente espaço de trabalho, brindes personalizados acessam o lado mais humano de colaboradores e colaboradoras.

Entender profissionais internos como clientes faz parte das práticas do endomarketing. Assim, gerar empatia, conexão com a empresa e dar reconhecimento são alguns dos pontos que brindes personalizados proporcionam.

Como aplicar a estratégia de brindes personalizados?

Dito tudo isso, vamos às dicas de como aplicar essa estratégia e usar brindes personalizados a seu favor. Através dessas 5 dicas, você conseguirá bombar seu endomarketing e, cada vez mais, tornar sua empresa um great place to work.

1. Conheça seu público

Você presentearia com algo sem conhecer a personalidade de quem vai receber? É a mesma lógica. Entender quem são seus clientes internos é essencial para a estratégia de brindes personalizados. 

Como já dito, não é só sobre dar mimos. É sobre conhecer as pessoas presenteadas a ponto de entregar algo que seja realmente relevante para elas. Para isso, estudos de recursos humanos para compreensão de faixa etária, contexto geográfico e gostos afins são excelentes.

Sabendo quem são as pessoas presenteadas, torna-se possível iniciar o planejamento da estratégia de brindes personalizados. Essa definição de persona permitirá um desenho mais acurado e objetivo sobre a quem se quer impactar.

Leia também: Lembrancinha de boas vindas para alunos: melhores ideias

2. Saiba qual a identidade de sua marca

Seu presente precisa também falar sobre você, não é mesmo? Além de considerar detalhes sobre quem recebe, brindes personalizados têm a potência de fortalecer marcas. Assim, é imprescindível conhecer também quem presenteia.

Como em qualquer estratégia de marketing, é importante saber qual a forma de se colocar no mercado. Com brindes personalizados não seria diferente. Levar em consideração, por exemplo, o manual de marca, é um bom guia para essa definição.

Identidade visual, voz e tom de voz da marca, logotipos, quais as premissas de atuação do endomarketing… tudo isso é relevante para a definição de como e quais serão seus brindes personalizados!

3. Escolha o que quer fomentar

Para cada momento de presentear um estilo de presente. Brindes personalizados também seguem essa lógica. Conhecer seu público e a identidade da marca possibilitam a compreensão sobre qual sensação e/ou comportamento fomentar.

Por exemplo: para empresas engajadas em questões sócio-ambientais, brindes personalizados feitos com materiais recicláveis são uma boa pedida. Ou pensando em preocupação com autocuidado no home office, os brindes podem ser adequados a isso.

Perguntas que podem guiar essa etapa: qual sensação queremos transmitir? Qual comportamento queremos estimular? 

4. Defina o orçamento

Ainda que seu planejamento seja incrível, ele precisa caber no orçamento. Nesse sentido, saber qual a verba estipulada para brindes personalizados é de extrema importância. 

Essa etapa, para alguns contextos, pode se dar até antes das anteriores. O que não é um problema, desde que elas ainda aconteçam. Dentro do planejamento da estratégia de brindes personalizados esse pode ser um fator limitante.

Apesar disso, tendo em vista quanto se tem estipulado, ainda é possível fazer a estratégia de brindes personalizados acontecer! E por isso entramos na quinta e última dica.

5. Escolha o melhor parceiro

Considerando todos os passos acima, você saberá quais os brindes personalizados com os quais quer presentear. A parceria ideal será crucial para que essa estratégia aconteça conforme o planejado.

Claro, preço é um quesito pertinente, mas considere também qualidade, tempo e modelo de compra, armazenamento e logística. Essa última especialmente pensando em brindes personalizados entregues em diferentes estados ou países.

Esses são pontos relevantes inclusive para evitar dores de cabeça ao longo da aplicação da estratégia. Afinal, não é só a compra de brindes personalizados, mas sim uma série de passos até que eles cheguem a seus destinos.

Conclusão

Agora que você sabe mais sobre endomarketing e sobre a estratégia de brindes personalizados, que tal pôr a mão na massa? Além do encantamento de seus clientes mais próximos, essa estratégia sem dúvida trará a humanização que sua marca precisa.

Referência

LIMONGI FRANÇA, Ana Cristina. Prática de Recursos Humanos: Conceitos, Ferramentas e Procedimentos. São Paulo: Atlas, 2009

Veja mais: